Ambar, natural da Venezuela, empresária em São Sebastião (DF)

Gastronomia

Ambar

Ambar (esq.) ao lado do genro e da filha, sócios do negócio

O filho mais novo de Ambar tinha 10 anos quando descobriu um câncer bem agressivo. Desacreditados, os médicos deram um diagnóstico desesperador: seis meses de vida. Em busca de um tratamento melhor e outras condições de salvar o filho, a engenheira de sistemas percorreu 24 horas de ônibus, com o menino com febre, para chegar à fronteira com Roraima em 2018. Sem conhecer ninguém no país, dormiu nas ruas de Boa Vista (RR) por alguns dias em frente ao hospital onde ele foi atendido. A partir dali, com a ajuda do ACNUR e outras instituições, Ambar conseguiu vaga no Centro de Acolhida para refugiados e migrantes Rondon 1 e tratamento no SUS. Com o processo de interiorização, Ambar, o marido e o filho se mudaram para Brasília (DF).

Depois de meses de tratamento, o pequeno estava fora de perigo. “Ele foi muito bem atendido e estava apenas fazendo acompanhamento médico, já não tinha risco. Então, em 2019, nasceu a ideia de fazer um negócio de comida venezuelana para mostrar nossa cultura na cidade de São Sebastião”, conta Ambar.

O Chiqui BurguerBr começou com um sócio venezuelano, mas depois Ambar passou a tocar o negócio com a filha e o genro, que até então moravam na Venezuela. O local vende diversos tipos de lanche e os mais pedidos são pepitos (sanduíche tradicional venezuelano) e arepas (pão feito com milho e recheado). Para investir na lanchonete, em 2021, a empreendedora conseguiu crédito do Banco Pérola. A associação conta com um programa de crédito e microcrédito voltado para empreendedores refugiados e migrantes desde o final de 2020. Atualmente, a iniciativa funciona por meio de parceiros em todo o país. Além disso, para se qualificar, ela passou por um curso de empreendedorismo da Migraflix, focado em negócios gastronômicos. Atualmente, o Chiqui BurguerBr faz entregas e tem dois trailers para venda de comida.

Com os filhos e netos reunidos no Brasil, Ambar planeja levar o empreendimento para outras partes do país. “Um sonho é conquistar estabilidade e mostrar nossa cultura, isso é o mais importante para nós. Por isso temos molhos próprios e comidas venezuelanas. Queremos ampliar a rede de atendimento para outras cidades do país, com trailers onde empreendedores possam vender a comida típica venezuelana”.

(Texto incluído na plataforma em Julho de 2022)