Anas, natural da Síria, chef no Rio de Janeiro

Gastronomia

Anas

Quando chegou ao Brasil, em 2015, a ideia de Anas era passar um tempo em cada Estado, para entender melhor a dinâmica do país até decidir onde ficaria em definitivo. Primeiro, São Paulo. Menos de um mês depois, ele chegava ao Rio de Janeiro. A conexão com a cidade, no entanto, fez com que o sírio deixasse a ideia de uma vida nômade para trás, e fixasse sua residência na capital fluminense.

Anas chegou ao Brasil vindo da Líbia, onde fez faculdade e depois trabalhou como engenheiro de telecomunicações. “O conflito na Líbia fez com que eu perdesse meu trabalho, perdesse tudo. Ficou bem difícil”, conta ele, que também não via como uma possibilidade retornar para a Síria, seu país natal que é assolado por uma guerra desde 2011.

No Rio, ele chegou a buscar emprego na área de formação, mas não conseguiu se recolocar. A solução, conta ele, foi começar a vender comida no café de um amigo, que funcionava no bairro do Botafogo. Aos finais de semana, quando o empreendimento não estava em funcionamento, Anas alugava o espaço para vender refeições. Com o fechamento do espaço, ele passou a comercializar seus produtos na Junta Local. O verão chuvoso do Rio de Janeiro, no entanto, fez com que o empresário buscasse uma nova estratégia. “Cada vez que chovia, a feira não funcionava, e eu acabava jogando muita comida no lixo. Pensei então em criar um produto com o prazo de validade maior”, explica.

Nascia a Simsim Culinária Árabe. Atualmente, Anas produz pastas tradicionais da culinária árabe com ingredientes selecionados, sem conservantes e veganas. Foram vários testes até chegar nas receitas finais, que são produzidas na cozinha da casa do chef. Seu menu é composto por cinco produtos: hommus clássico (pasta de grão de bico), hommus de beterraba, condimento de pimenta e nozes, babaganoush (pasta de berinjela), e antepasto de pimentão vermelho com melado de romã e semente de gergelim. A aceitação do público foi imediata e marcada por muitos feedbacks positivos.

Com a pandemia do Covid-19, os eventos presenciais foram suspensos, e Anas direcionou sua estratégia de venda para os canais online, até então pouco explorados por ele. Outra alternativa encontrada pelo empresário foi firmar parcerias com pontos de vendas selecionados. No Rio de Janeiro, é possível encontrar suas pastas em padarias e em lojas de produtos artesanais. Além disso, ele envia seus produtos para todo o Brasil e também atende festas e eventos, que aos poucos vêm sendo retomados. Apesar das adversidades, Anas conta que viu suas vendas crescerem ao longo de 2020 e já estuda ampliar o cardápio.

Mesmo diante do sucesso das vendas online, Anas não vê a hora de voltar às feiras presenciais. Na opinião do chef, além de uma experiência de compra diferenciada, os encontros também representam uma experiência cultural, que se dá por meio da degustação de produtos, da troca de receitas e do intercâmbio de costumes. No futuro, além de expandir o negócio, Anas pensa em empregar outros refugiados na Simsim. “Quero que isso fique de exemplo. Não passa só por fazer dinheiro, mas por ter um negócio de valor”.

(Texto produzido em Fevereiro de 2021)