Eliezer, natural da Venezuela, artesão e capoeirista em Recife

Artesanato

Eliezer

Eliezer é artesão desde os 16 anos de idade. Ele conta que conheceu este universo ao aprender a fazer crochê com os amigos. Natural de Santa Elena de Uairén, na Venezuela, ele chegou ao Brasil em 2014.
Eliezer viajou por vários estados brasileiros, onde teve a oportunidade de vender os objetos artesanais que produz. Durante dois anos, ele viveu na cidade de São Paulo, onde além de vender artesanato, atuou como professor de espanhol e como cozinheiro. Na capital paulista, ele conta ter descoberto a multiculturalidade e a diversidade presente na maior cidade do Brasil, além de ter trabalhado junto com vários refugiados.

Em 2018, Elizer decidiu se estabelecer em Recife, para treinar capoeira e também para empreender. No ano seguinte ele e a esposa, Dami, abriram a Ajna Joalheria Artesanal. A ideia do empreendimento – totalmente autoral – é ser um espaço contemporâneo que através dos seus produtos conectam essências, aparência e bem-estar. Entre as peças produzidas pelo casal estão brincos, tornozeleiras, pulseiras, colares, cordões, pingentes e mandalas tridimensionais.

O empresário conta que decidiu levantar seu artesanato “do chão” - fazendo referência a forma de venda hippie que apresenta as peças em um pano estendido no chão – e colocá-lo na mesa fazendo assim a sua primeira vitrine. A partir daí, começou a ser visto e se percebeu como artista, e não apenas mais como um hippie que vendia na rua.

O casal enfrentou vários desafios ao longo da jornada empreendedora, como criar um MEI e desenhar uma logomarca que fosse única e conversasse com o nome e essência do negócio. A Ajna Joalheria Artesanal se dedica a fabricação de joias artesanais contemporâneas com materiais alternativos, e com peças feitas a mão utilizando diferentes técnicas como macramê torção em metal, palha, couro, aço, bronze, cobre, cascas, sementes, conchas, perolas, pedras naturais, fios e cordões.

“Não somos produtores industriais o que faz nossas peças serem mais especiais, porque em cada uma delas colocamos nossa energia e atração espiritual. O maior desafio em ser empreendedor no Brasil é se adaptar aos processos burocráticos, que implica ser uma empresa, já que a melhor forma de ter um bom desempenho com o empreendimento é com as regularizações e formalidades necessárias”, detalha.
Antes da chegada da pandemia as peças da Ajna Joalheria Artesanal eram vendidas em feiras de artesanato. Atualmente, os empresários estão investindo em vendas através das redes sociais e envio para todo o Brasil.

(Texto produzido em Fevereiro de 2021 pelo projeto Creciendo)