top of page

Eunice, natural da Venezuela, artista em Boa Vista-RR

Design e Arte

Eunice

Quando Eunice atravessou a fronteira da Venezuela para o Brasil em 2017, sua intenção era uma estadia temporária para vender alguns produtos de plástico. No entanto, a vendedora perdeu suas mercadorias e se viu obrigada a prolongar sua permanência. “Eu me senti como se estivesse em outro planeta, sem entender nada de português ou do Brasil. Mas tive que ficar, porque meus filhos estavam na Venezuela sem comida nem recursos”, relembra.

Com muita determinação, Eunice conseguiu se reerguer e trouxe todos os seus cinco filhos para viver no Brasil. Parte da família se estabeleceu no bairro João de Barro, em Boa Vista, Roraima, onde muitas outras famílias venezuelanas residem. No entanto, uma questão começou a incomodar Eunice: a falta de conexão, especialmente das crianças, com a cultura venezuelana. Foi então que decidiu pintar um quadro para sua neta, retratando todas as lembranças que tinha do seu país. Esse gesto reacendeu sua antiga paixão pela arte com pincéis e telas.

Ela voltou a pintar e passou a expor e vender suas obras, que em sua maioria retratam paisagens, pessoas e momentos históricos da Venezuela. Além disso, Eunice também faz desenhos por encomenda e cria artesanatos com madeiras e sementes secas, como colares e brincos.

Com o intuito de preservar ainda mais as tradições, em 2022, ela e outras mães do bairro iniciaram um projeto para ensinar dança e música venezuelana a crianças de 2 a 9 anos, por meio de encontros duas vezes por semana. O projeto foi selecionado pela Lei Paulo Gustavo em 2024, o que possibilitou a aquisição de trajes típicos. O grupo Raíces Folkloricas se apresenta em feiras, eventos e festas.

“Não podemos deixar nossa identidade se perder. Estamos gratos pela acolhida do Brasil, mas é importante que os povos mantenham suas tradições e raízes. Sinto-me responsável por transmitir às crianças o que nós e nossos antepassados vivemos. Elas têm direito à educação e à saúde, mas também à sua identidade”, enfatiza Eunice.

(Texto incluído na plataforma em maio de 2024)

bottom of page