Maria Gabriela, natural da Venezuela, chef no Rio de Janeiro

Gastronomia

Maria Gabriela

Maria Gabriela chegou ao Brasil em 2017, grávida de oito meses e junto com o marido e com dois filhos. Foram três dias viajando de ônibus de Sán Joaquin, no estado de Carabobo na Venezuela, até Boa Vista, e depois um trecho de avião até o Rio de Janeiro. “Eu sou formada em Administração de Empresas, meu marido em Logística e, como todo o migrante forçado, não tivemos muita escolha, pois não dava mais para morar na Venezuela, mesmo tendo uma condição bem organizada por lá, com casa própria, carros, e até mesmo o nosso pequeno negócio”, explica ela, relembrando todas as mudanças pelas quais a família passou desde que deixou a cidade natal para viver em um novo país.

Foi nas lembranças cheias de afeto e saudade dos almoços de domingo que oferecia para a sua família na Venezuela, que Maria Gabriela teve a ideia de vender comida para fora e criou o Comida Chevere RJ. “Depois de seis meses aqui, minha terceira filha havia nascido e eu precisava ajudar minha família na Venezuela. Cozinhar para fora era o mais prático que eu poderia fazer”, explica ela, que começou a trabalhar na Feira Chega Junto [projeto de gastronomia promovido pela Junta Local] há mais de dois anos. O primeiro prato que ela fez para vender foi o Pabellón: feijão, arroz, carne desfiada e banana da terra frita. “Aos poucos fui ampliando o cardápio me lembrando do que cozinhava para a minha família”, conta a chef, que passou a preparar outras delícias típicas como lasanha de banana da terra, empanadas, arepas [salgado feito de milho] e patacón [discos de banana frita], tudo com um toque de tempero brasileiro.

No começo de 2020, ela passou a integrar a organização da Chega Junto, além de vender seus produtos no local. Com a chegada da pandemia, no entanto, as atividades da feira foram paralisadas e seu marido, que trabalhava na indústria hoteleira, perdeu o emprego. Diante das dificuldades, a família se reinventou para lidar com o inesperado: juntos, os dois firmaram parcerias com outras feiras (na modalidade online), estudaram empreendedorismo e participaram de uma vitrine virtual de empresas. Maria Gabriela também passou a comercializar seus produtos no Instagram, onde oferece tanto pratos individuais quanto adaptados para buffets e eventos corporativos, que aos poucos vem sendo retomados de acordo com os protocolos sanitários e de segurança.

Além de todas as atividades que executou durante a pandemia, a empresária também se envolveu com eventos de cozinha solidária, ajudando a produzir quentinhas para moradores de rua, que passaram a receber menos doações de comida com a crise do Covid-19. Para a empresária, o momento foi de dificuldades, mas também de descobertas e boas ações. “Conseguimos nos unir e fazer parcerias para que outros produtores tivessem trabalho também, além de proporcionar que outras pessoas tivessem comida. Foi o momento de devolver para o Brasil o que o Brasil deu para nós”.
(Texto produzido em Fevereiro de 2021)