Yenither e Reinaldo, naturais da Venezuela, cozinheiros em Belo Horizonte

Gastronomia

Yenither e Reinaldo

Desde quando viviam na Venezuela, o empreendedorismo era parte da vida do casal Yenither e Reinaldo. Além de trabalharem em outros empregos, os dois eram donos do Dorian Cacao, empreendimento batizado em homenagem ao filho do casal. A situação econômica da Venezuela, no entanto, começou a complicar os negócios. “Começou a faltar muita coisa no país, matéria prima, transporte, e as coisas deram uma freada”, conta Reinaldo, que também tinha uma academia de capoeira – igualmente afetada pela crise econômica – e trabalhava na Secretaria de Juventude do Estado de Aragua, na cidade de Maracay.

Há cinco anos, ele desembarcou no Brasil como refugiado político. Apesar de ter perspectivas de trabalho como capoeirista em Belo Horizonte, onde vive atualmente, até regularizar sua situação migratória Reinaldo trabalhou em várias áreas. “Fiz serviços que não imaginava. Até hoje não sei quantos caminhões de brita carreguei e descarreguei, fui ajudante de pedreiro, desentupidor, técnico de informática, de tudo um pouco”, explica ele, formado em Desenho Gráfico.

Em 2019, Yenither e o filho se juntaram a Reinaldo. Apesar de extenuante, a jornada dos dois foi mais tranquila e planejada. Com a família novamente reunida, eles resolveram retomar as atividades da Dorian Cacao Venezuela, agora em território brasileiro. “Desde 2017 eu vinha estudando não apenas confeitaria, mas também finanças e negócios com a intenção de que quando eu viesse ao Brasil nós dois começássemos o empreendimento. Quando cheguei aqui este já era o nosso foco”, explica Yenither, que é formada em Turismo. Outro aspecto que pesou na decisão de empreender, conta ela, foi a possibilidade de poder trabalhar de casa e continuar cuidando do pequeno Dorian.

Enquanto na Venezuela o foco do empreendimento era apenas na produção de brownies, aqui no Brasil a produção é mais diversificada, e contempla diversos produtos cujo principal ingrediente é o cacau, além de empanadas venezuelanas. Logo após a abertura do empreendimento, em dezembro de 2019, os produtos da Dorian Cacao Venezuela eram vendidos no veículo de Reinaldo, que trabalha como Uber. Com a chegada da pandemia da Covid-19, ele deixou de trabalhar como motorista, e pouco a pouco o casal foi fazendo novos investimentos no negócio, que atualmente é a principal fonte de renda da família.

“Com a chegada do Covid-19, nos engajamos em entrar em plataformas de vendas, que facilitaram o acesso e o cadastro”, explica Yenither. Atualmente, os produtos da empresa são vendidos por aplicativos, Instagram e também na residência do casal, no bairro Califórnia.

(Texto incluído na plataforma em Junho de 2021)